Pular para o conteúdo principal

LIVRO CAIXA DIGITAL PARA O PRODUTOR RURAL


 

Toda empresa tem que ter uma gestão financeira para que possa guiar suas ações como planejar, executar e controlar as atividades da entidade. Desta forma, uma das melhores maneiras de se fazer isto é através do livro caixa. Destaca-se que é de suma importância para qualquer empresa a utilização deste que serve para que o gestor da entidade possa tomar decisões mais assertivas possíveis.
O livro caixa é um instrumento de controle financeiro que permite mostrar como esta a saúde financeira do negócio informando as entradas (receitas) e as saídas (despesas), isto é, os movimentos de caixa durante o ano. Sendo assim, a receita e despesa, deve ser feita de forma individual, em ordem cronológica de dia, mês e ano, não podendo ter rasuras ou emendas.
Para elaboração do livro caixa se faz necessário conhecimentos básicos em contabilidade. Mesmo que o gestor terceirize este serviço é necessário que o dono faça este acompanhamento para que ele possa otimizar seu tempo e suas decisões, softwares são ferramentas formidáveis para este trabalho.
Destas acepções, constata-se que toda empresa que almeja um crescimento econômico financeiro de forma sustentável precisa fazer uso desta ferramenta, que é o livro caixa. E como as propriedades rurais estão cada vez mais sendo exigidas para uma maior profissionalização em suas atividades, certamente é indispensável a utilização desta ferramenta pelo produtor rural.
Vale ressaltar que além da alta competitividade no agronegócio, cada vez mais o detalhamento dos custos e despesas serão fundamentais para que se consiga minimizar os gastos e desta forma aumentar o lucro. Sendo assim, o produtor rural passa a não só ter melhores condições financeiras, como melhor bem-estar para si e sua família. Isto também implica criar condições para que mais agricultores possam permanecer no campo.
E a partir deste ano o governo Federal passou a exigir que os produtores que exploram a atividade rural passem a ser obrigado a utilizarem o livro caixa digital do produtor rural, conhecido como LCDPR, conforme a lei 8.023/1990[1] e regulamentação da Instrução Normativa da Secretária da Receita Federal (IN SRF 83/2001)[2].
Para os produtores rurais que auferirem receita bruta superior a R$ 3,6 milhões em suas atividades será obrigatório o envio dos dados do livro caixa para a Receita Federal a partir do ano que vem, 2020, e para os que tiverem rendimento inferior a este valor passa a ser facultativo o envio do livro caixa.
Nesse sentido caberá aos agricultores prestar atenção nas informações repassada a contabilidade que deverá conter: a data do registro; a identificação do imóvel rural, a conta bancária utilizada no lançamento; o número do documento, bem como o tipo de documento (nota fiscal, fatura, recibo, contrato, folha de pagamento, entre outros) e o CPF do produtor. Por fim, a receita, despesas e/ou investimentos, se há despesas dedutíveis, se for o caso.
Merece destacar que o livro caixa digital será apurado e recolhido para o Imposto de Renda da Pessoa Física. Sendo assim, será integralizado aos demais sistemas públicos de escrituração digital (Sped). Esse será emitido por entidade credenciada, para garantir a autoria do documento digital. Posteriormente lançados os dados deverá ser informado a Receita Federal.
Conclui-se que cada vez mais o agricultor será cobrado não só pelo mercado, mas por outros agentes da economia, como é o caso do Governo. Sendo assim, o planejamento de suas atividades operacionais e financeira deverão ser bem planejadas e controladas para que não só possa “colher” melhor resultados em suas atividades, mas que também não seja alvo de penalidades, como multas impostas pela Receita Federal

Frederico Santos Damasceno
Economista -AgroSimulador 

 

                              


[1] Art. 1º Os resultados provenientes da atividade rural estarão sujeitos ao Imposto de Renda de conformidade com o disposto nesta lei. Para saber mais desta lei pode-se acessar: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L8023.htm.
[2] Art. 1º O resultado da atividade rural, apurado pelas pessoas físicas, quando positivo, integra a base de cálculo do imposto de renda devido no ano-calendário. Para saber mais desta lei pode-se acessar: http://normas.receita.fazenda.gov.br/sijut2consulta/link.action?visao=anotado&idAto=14387

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Finanças pessoais para atividade no campo

Vem chegando o fim do ano de 2018 e alguns dados merecem ser destacados para que possam ser reduzidos e/ou eliminados no ano que vem. De acordo com a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic) apurada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), mostra que a proporção de famílias brasileiras com dívidas no cartão de crédito, cheque pré-datado, bem como carnê de loja, entre outros, apresentou um percentual de 60,3% em novembro deste ano.
Nesse sentido ressalta-se que mais uma vez o cartão de crédito é apontado como principal tipo de dívida por 77,4% das famílias entrevistadas. Em segundo e terceiro respectivamente vêm os carnês (14,8%) e o financiamento de carro (10,2%). Há de se destacar que em relação ao mesmo período do ano passado houve uma redução de 1,9 pontos percentual do número de famílias endividadas, ou seja, os dados de novembro do ano passado ficaram em 62,2%. Isto significa uma melhoria insignificante do índice de endivida…

A influência da guerra comercial EUA x China no preço dos grãos

A guerra comercial que o presidente dos EUA Donald Trump está travando com seus parceiros comerciais tem causado grandes reflexos na precificação das commodities agrícolas. A tarifa de 25% imposta pelos EUA a importações de 34 bilhões de dólares de produtos chineses abalou o comércio internacional. A China respondeu a esta investida elevando suas tarifas de importação para 25% a uma cesta de produtos, que inclui soja, milho e carne suína, buscando a compensação das perdas.     A China é quase auto suficiente na produção de milho, importando pouco mais de 5 milhões de toneladas, mas quando se trata de soja, sua importação passou dos 97 milhões de toneladas em 2017, sendo que destes, 35 provenientes dos EUA. A exportação mundial de soja está concentrada em EUA, Brasil, Argentina e Paraguai. A China não tem condições de não importar soja dos EUA, pois não há outras origens com condições de exportar 35 milhões de toneladas adicionais, mas certamente a China dará prioridade para compr…

PERSPECTIVAS PARA O AGRONEGÓCIO EM 2019

Passada as eleições, com a vitória de Bolsonaro e com boa parte do congresso sendo renovada, além da renovação do otimismo por parte dos brasileiros neste ano que se inicia, é hora de planejarmos o ano para que todos os planos possam ser concretizados.

Em função disto, deve-se ressaltar que a eleição do novo presidente teve apoio de boa parte dos agricultores e de entidades de classe ligadas a eles, bem como da Frente Parlamentar da Agropecuária, que reúne aproximadamente 260 deputados federais, além de senadores. No ministério da Agricultura tem-se a produtora rural e agrônoma Tereza Cristina, formada pela Universidade Federal de Viçosa, que tem larga experiência politica e empresarial.

De acordo com a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) o país deve crescer 2% este ano em relação a 2018. Neste sentido, merece destacar o aumento da produção de grãos que será ainda maior do que no ano passado, que foi de 228 milhões de toneladas, com destaque para a produção de soja qu…