Pular para o conteúdo principal

A influência da guerra comercial EUA x China no preço dos grãos

     


    A guerra comercial que o presidente dos EUA Donald Trump está travando com seus parceiros comerciais tem causado grandes reflexos na precificação das commodities agrícolas.
A tarifa de 25% imposta pelos EUA a importações de 34 bilhões de dólares de produtos chineses abalou o comércio internacional. A China respondeu a esta investida elevando suas tarifas de importação para 25% a uma cesta de produtos, que inclui soja, milho e carne suína, buscando a compensação das perdas.
    A China é quase auto suficiente na produção de milho, importando pouco mais de 5 milhões de toneladas, mas quando se trata de soja, sua importação passou dos 97 milhões de toneladas em 2017, sendo que destes, 35 provenientes dos EUA. A exportação mundial de soja está concentrada em EUA, Brasil, Argentina e Paraguai. A China não tem condições de não importar soja dos EUA, pois não há outras origens com condições de exportar 35 milhões de toneladas adicionais, mas certamente a China dará prioridade para comprar todo o excedente dos demais exportadores antes de comprar o produto dos EUA com tarifação.
    A safra dos EUA está plantada e a partir de setembro com a colheita, poderemos confirmar estas estimativas e ver a efetivação do novo fluxo de soja pelo mundo.
Quanto ao preço, as cotações na bolsa de Chicago (CBOT) que balizam os preços em todo o mundo sofreram os maiores efeitos. As cotações da soja caíram dos níveis de U$10,00/bu (dólares por bushel) para próximo a U$8,50/bushel. Esta redução de 15% nos preços reduziu drasticamente a rentabilidade dos produtores rurais do EUA e tornou a sua soja a mais barata do mundo para exportação.
    Já a soja da América do Sul, fortemente demandada pelos chineses, não teve grandes reduções nos preços, mantendo os preços altos nos portos. Na linguagem do mercado, a soja teve os “prêmios” fortalecidos, que são o diferencial do preço comercializado no Brasil para os preços da bolsa de Chicago.
    Podemos concluir que com os preços atuais, os países da América do sul, com seus preços altos só conseguirão vender sua soja para a China e todos os demais importadores encontrarão nos EUA a soja mais barata para se comprar.
    Para o produtor brasileiro de soja, a continuidade desta guerra comercial e das tarifas impostas pela China manterá os preços da soja altos, podendo torná-los ainda mais caros até o início de 2019, quando o estoque brasileiro fica nos menores níveis antes da entrada da safra 2018/2019. 

As informações de mercado são importantes para o planejamento da nova safra, quer saber mais sobre os preços futuros e fazer a gestão de sua propriedade ???? Acessem http://agrosimulador.com.br/  

Por: Joel Lazzaretti em 20/07/2018.

Comentários

  1. Pois é!! Por isso, neste momento de uma possível e imediata paralisação do comércio internacional, depois de quase noventa anos de plena expansão, os EUA e a China conseguem protagonizar os conflitos mais importantes destes trincamentos do cristal de algo que parecia tão sólido. Os yankees materializaram a dominação e imposição do processo de globalização pelo centro do sistema. Enquanto os Chineses representaram e combinaram na periferia do sistema imperialista suas correspondentes formas dominadas e passivas.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE ESTOQUE

A empresa que almeja ter sucesso é preciso ter planejamento. Este consiste em criar um plano, métodos, para otimizar um determinado objetivo. Desta forma, a empresa seja qual for o seu tamanho é preciso ter PLANEJAMENTO EM SUA GESTÃO
Na gestão de um negócio a preparação, a organização e a estruturação de qualquer objetivo são fundamentais, não só para o crescimento sustentável, mas até mesmo para sua própria sobrevivência. Sendo assim, em todas as atividades desempenhadas pela empresa o gestor tem que ter este controle da forma mais organizada e detalhada possível, para que tenha maior ASSERTIVIDADE e EFICÁCIA na tomada de decisões.
GESTÃO DO ESTOQUEUma destas atividades a serem gerenciadas é o estoque. Este é primordial para o sucesso de qualquer empresa, seja em qualquer segmento. Em função disto a compra e a venda devem estar em equilíbrio, pois reduzindo ao máximo as quantidades de produtos, sem no entanto, deixar que o mesmos faltem contribui para aumentar o capital de giro, redu…

LIVRO CAIXA DIGITAL PARA O PRODUTOR RURAL

Toda empresa tem que ter uma gestão financeira para que possa guiar suas ações como planejar, executar e controlar as atividades da entidade. Desta forma, uma das melhores maneiras de se fazer isto é através do livro caixa. Destaca-se que é de suma importância para qualquer empresa a utilização deste que serve para que o gestor da entidade possa tomar decisões mais assertivas possíveis. O livro caixa é um instrumento de controle financeiro que permite mostrar como esta a saúde financeira do negócio informando as entradas (receitas) e as saídas (despesas), isto é, os movimentos de caixa durante o ano. Sendo assim, a receita e despesa, deve ser feita de forma individual, em ordem cronológica de dia, mês e ano, não podendo ter rasuras ou emendas. Para elaboração do livro caixa se faz necessário conhecimentos básicos em contabilidade. Mesmo que o gestor terceirize este serviço é necessário que o dono faça este acompanhamento para que ele possa otimizar seu tempo e suas decisões, softwares …

A INFLUÊNCIA DA GRIPE SUÍNA AFRICANA NOS MERCADOS DE PROTEÍNA ANIMAL E GRÃOS

Gripe suína africana na China
A China descobriu em 03/08/2018 o primeiro foco da gripe suína africana em seus animais. Como são o maior produtor mundial de suínos, fechando 2018 com uma produção de 700 milhões de suínos, qualquer problema gera grandes impactos na oferta desta proteína. A China vem sofrendo drástica redução na oferta de carne suína. As tentativas de controle da disseminação da gripe suína africana, tem exigido o abatimento dos plantéis nas áreas com foco da doença. Até a detecção dos primeiros casos, o plantel chinês de suínos era de 350 milhões. Hoje, estima-se que 10% do plantel já foi abatido, reduzindo drasticamente a oferta interna desta proteína. No rebanho de matrizes o efeito foi ainda maior, com 21% do plantel já abatido, fechando o ano de 2018 com 30 milhões de matrizes. Isso acarretará em redução de produção nos próximos 6 meses e redução na recomposição dos planteis após a doença ser controlada.
Preferências do consumidor
Mesmo sem ser prejudicial aos humanos…