Pular para o conteúdo principal

PERSPECTIVAS PARA O AGRONEGÓCIO EM 2019



Passada as eleições, com a vitória de Bolsonaro e com boa parte do congresso sendo renovada, além da renovação do otimismo por parte dos brasileiros neste ano que se inicia, é hora de planejarmos o ano para que todos os planos possam ser concretizados.

Em função disto, deve-se ressaltar que a eleição do novo presidente teve apoio de boa parte dos agricultores e de entidades de classe ligadas a eles, bem como da Frente Parlamentar da Agropecuária, que reúne aproximadamente 260 deputados federais, além de senadores. No ministério da Agricultura tem-se a produtora rural e agrônoma Tereza Cristina, formada pela Universidade Federal de Viçosa, que tem larga experiência politica e empresarial.

De acordo com a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) o país deve crescer 2% este ano em relação a 2018. Neste sentido, merece destacar o aumento da produção de grãos que será ainda maior do que no ano passado, que foi de 228 milhões de toneladas, com destaque para a produção de soja que tende a crescer de 5 a 6% por cento.
Ainda segundo a CNA o setor de fruticultura deve continuar a crescendo neste ano, visto que o país tem muito a crescer no mercado internacional, além de ter uma cadeia bem organizada e ocupa somente 8% do mercado internacional.

Vale ressaltar que a companhia Nacional de Abastecimento (Conab) também tem perspectivas positivas como a CNA. Na visão da Conab na questão da soja, o Brasil deve aumentar á área de soja e terá neste grão, a maior rentabilidade e liquidez do mercado. Destaca-se que o país planta 120 milhões de toneladas, atrás apenas dos Estados Unidos, com 124 milhões.

Já em relação ao milho há projeção de produção para o país chegar a um valor de 96,0 milhões de toneladas nesta safra. Isto significa um incremento de 16,81% comparado a safra do ano passado.

No tocante ao clima a região Centro-Sul do Brasil terá em 2019 perspectivas climáticas bastante favoráveis devido a atuação do El Niño[1], o que deve se traduzir em chuvas abundantes e bem distribuídas. Isto favorece uma maior produtividade na maior parte das regiões produtoras do Brasil.

É necessário, pois, analisar a questão do tabelamento dos fretes, visto que este deve afetar diretamente os preços do mercado interno. Desta forma, se os fretes se mantiverem altos como em julho de 2018, os agricultores poderão diminuir sua comercialização, afetando substancialmente a oferta do mercado interno.

Outro fator que se espera para este ano é que a inclusão digital no campo seja ainda mais acelerada, contribuindo para a profissionalização do produtor rural. Isto contribui para que a produtividade aumente através de novas técnicas, bem como uma maior gestão dos dados, como os recursos produtivos e financeiros. O Agrosimulador, software de gestão para propriedades rurais contribui com este fator, pois disponibiliza esta tecnologia para o produtor rural, inclusive para pequenos produtores, sem perder a qualidade já comprovada pelas grande propriedades que já o utilizam.

Dessas perspectivas tem tudo para que o ano de 2019 seja um ano, no geral, promissor para o agronegócio. Sendo assim, espera-se que o produtor possa almejar um futuro melhor, bem como as organizações públicas e privadas que apoiam o agricultor possam dar o suporte necessário ao setor, e o novo governo apoie ainda mais o agronegócio. Que o governo possa promover a desburocratização do ambiente de negócios, ampliar mais o crédito fundiário e a assistência técnica para o pequeno e médio produtor rural. É necessário também promover maior segurança nos campos e que o lema “menos Brasília e mais Brasil”, de fato possa ocorrer e principalmente no interior do país, onde está o setor responsável por uma das maiores gerações de emprego e produção do Brasil. 

As perspectivas para o Agronegócio são importantes para o planejamento de suas atividades e de suas finanças. Quer saber mais sobre como planejar suas atividades e seus resultados financeiros?? Acesse www.agrosimulador.com.br

Por: Frederico Santos Damasceno em 28/02/2019.



[1] fenômeno climático que se caracteriza pelo aquecimento das águas do Oceano Pacífico

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Finanças pessoais para atividade no campo

Vem chegando o fim do ano de 2018 e alguns dados merecem ser destacados para que possam ser reduzidos e/ou eliminados no ano que vem. De acordo com a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic) apurada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), mostra que a proporção de famílias brasileiras com dívidas no cartão de crédito, cheque pré-datado, bem como carnê de loja, entre outros, apresentou um percentual de 60,3% em novembro deste ano.
Nesse sentido ressalta-se que mais uma vez o cartão de crédito é apontado como principal tipo de dívida por 77,4% das famílias entrevistadas. Em segundo e terceiro respectivamente vêm os carnês (14,8%) e o financiamento de carro (10,2%). Há de se destacar que em relação ao mesmo período do ano passado houve uma redução de 1,9 pontos percentual do número de famílias endividadas, ou seja, os dados de novembro do ano passado ficaram em 62,2%. Isto significa uma melhoria insignificante do índice de endivida…

A influência da guerra comercial EUA x China no preço dos grãos

A guerra comercial que o presidente dos EUA Donald Trump está travando com seus parceiros comerciais tem causado grandes reflexos na precificação das commodities agrícolas. A tarifa de 25% imposta pelos EUA a importações de 34 bilhões de dólares de produtos chineses abalou o comércio internacional. A China respondeu a esta investida elevando suas tarifas de importação para 25% a uma cesta de produtos, que inclui soja, milho e carne suína, buscando a compensação das perdas.     A China é quase auto suficiente na produção de milho, importando pouco mais de 5 milhões de toneladas, mas quando se trata de soja, sua importação passou dos 97 milhões de toneladas em 2017, sendo que destes, 35 provenientes dos EUA. A exportação mundial de soja está concentrada em EUA, Brasil, Argentina e Paraguai. A China não tem condições de não importar soja dos EUA, pois não há outras origens com condições de exportar 35 milhões de toneladas adicionais, mas certamente a China dará prioridade para compr…